Press

18/04/1996 in Jornal da Marinha

COMMON FRIENDS ARE FOR EVER

   Este é o verdadeiro lema de um projecto , iniciado á alguns anos , por Luis Araújo , Gil Reis e uma banda amiga conduzida por Frank Overath ,e que só agora foi possível trazer a público . Este intercâmbio entre os Águas Passadas e esta banda Alemã vinha-se intensificando ao longo dos anos ,até que um dos mentores do projecto teve um trágico acidente , levando-o a afastar-se definitivamente do mundo dos vivos , embora sempre presente no espírito, que o notabilizou como um grande amigo de todas as pessoas .

   Tal como o próprio Gil afirmou , "o Luís tinha um carácter tão grande, que ninguém conseguia resistir á sua amizade".A pensar nele fez-se um espectáculo com várias bandas Marinhenses (e não só) , para todos os amigos e simpatizantes, poderem dizer o ultimo adeus ao grande vocalista que foi, LUÍS ARAÚJO. Depois destes acontecimentos tão repentinos, os Águas Passadas saíram da roda de espectáculos, e começaram a pensar neste projecto, que retrata bem a amizade que existe entre as duas bandas, não só como música mas também como homens que são. Como os portugueses é que são os " tesos ", pensou-se logo em ir gravar o CD na Alemanha, até porque o Frank tinha um estúdio próprio ( embora o CD, tenha sido produzido em França).

   Com mais um convidado, chamado Nuno Esperto, o Gil " atirou-se de cabeça " e foi para a Alemanha ( sim, porque todas as despesas ficaram por conta dos músicos), levavam uma música na bagagem ( " Mundos Dos Loucos " ) e muita vontade de trabalhar . Com letra do Luís e música do Gil , este tema retrata um sentimento ou pensamento, que o próprio Luís trazia sempre com ele, " Para quê , um louco sair do hospital, se lá fora é que está o verdadeiro Manicómio ".Mas este projecto tem vários temas, em que a humanidade havia de pensar, como é o caso da xenofobia, retratada nas músicas ,"Es War Eínmal..." e "...Eín Freíheítskampfer ".

   Este problema é mais evidente na Alemanha, pois como o Nuno diz " Na Alemanha, todos sabem que existe xenofobia, e todos são contra mas ninguém tem a coragem de se manifestar " , e estes temas tentam despertar um pouco a população, para o que se está a passar .Sobre a comparação que pode ser feita , aos Quinta Do Bill, pela capa do disco apresentar um aspecto do mundo vivido pelos índios, tanto o Nuno como o Gil, afirmam que o objectivo não é o mesmo .Os Quinta Do Bill utilizam a imagem de um índio porque também usam a sua música , enquanto que este projecto apenas se dirige á vida dos índios por ela ser tão livre e pura , talvez a mensagem seja mesmo ," porque é que não voltamos ás nossas origens e deixamos de destruir o que é nosso".

   Questionados pelo o possível êxito ,que este CD possa vir a ter , o Gil afirmou ao JMG que , na Alemanha em 15 dias venderam-se mais de 100 cópias , e que em Portugal, embora não tenham ainda editora, já se venderam cerca de 25 CD . Para quem tiver interessado, o CD encontra-se á venda em todas as Discotecas da Marinha. Participam neste projecto, Frank Overath , Dieter Dohmen , Mike kopp , Bernd Míchels , Martin Kruger , Uwe Vitale , Andrea Schmitz , Gil Reis , Nuno Esperto ( Não é Espreto, hã ! ), Horst Wachholz , Ralf Brems , Lonís e claro está Luís Araújo ( em espírito..., mas sempre presente ).

   Traduzindo os agradecimentos em português...,"normalmente neste espaço agradece-se ás Mães , Pais, ídolos, Primeiros Ministros, aos cabeleireiros dos cães, aos cães dos cabeleireiros e a todas as pessoas importante (VIPS) da tua vida. Nós gostaríamos de agradecer a todas as pessoas, que não se limitaram a copiar o disco, mas a todos aquelas, que estão interessadas, em comprar este CD. Honram assim o esforço de todos os músicos e dão-nos a oportunidade de começar um projecto futuro "(sim , porque já se pensa no " Common Friends Project II ", só depende de vocês, leitores em especial ).