Press

11/04/1996 in Jornal da Marinha

NO PAIN HURTS & PULL

   Depois de várias mini-actuações, os PULL vieram ao Operário, no passado dia 5 ,trazer-nos um pouco daquilo que são capazes, e do que ainda podem evoluir. A primeira parte foi deixada a cargo dos NO PAIN HURTS, banda de Sintra, que deram inicio ao concerto por volta das 23h30m, com uma sala ainda pouco acolhedora.

   Os No Pain Hurts entraram a todo o gás, com dois temas muito compridos e trabalhados, com o Gonçalo, no baixo, a ser um dos responsáveis por todo aquele "speed", que manteve ao longo de todo o concerto .Com temas muito cheios e complexos, pelos sons do Jorge (nas teclas ), e ao mesmo tempo, simples com solos básicos e agúdos do Nuno ( na guitarra e voz), os No Pain Hurts iam desfilando uma série de temas que muitas vezes nos levavam a uma banda bastante conhecida ( FAITH NO MORE ) e a prova disso, foi a apresentação de um tema dessa mesma banda ( Gentle Art Of ).

   Com o passar do tempo percebia-se que o melhor estava para vir , o publico foi-se desligando e os próprios membros da banda foram desanimando , o chegar ao fim já era mais que um desejo ,pois o pessoal queria era a banda da Marinha Grande. O Gonçalo ( baixo e voz ), o Nuno ( guitarra e voz ), o João ( guitarra ) ,o Tozé ( bateria ) , e o Jorge ( teclas ) nunca se conseguiram aproximar do publico ,talvez por culpa própria, o que os prejudicou bastante. Cerca da 1h os PULL , finalmente entraram em cena , e o publico aproximou-se , para ouvir a banda Marinhense, provando mais uma vez que o pessoal do Operário, apoia a " boa " Música da Marinha. Algo nervosos, os Pull sobem ao palco com um dos seus primeiros temas, chamado " Gone", com um som muito Punk, a fazerem lembrar os NOFEX. O Carlitos (guitarra e voz ), apresentava-se com uma voz suave e ao mesmo tempo, com subidas aguerridas , mas sem se tornar irritante, conseguiu-se aproximar de um estilo tão particular, feito pelos Pixies.

   No Baixo, o Zé Patricio, com um estilo muito próprio , nunca se conseguiu libertar do tal nervosinho, com breves " brancas ", teve que pedir ajuda em vários temas ao seu companheiro, mostrando por vezes falta de ensaio . Na Bateria, o Garcia , sempre muito atento e concentrado, apenas lhe faltou um pouco mais de coragem para fazer aqueles "brakes" que todos gostam de ouvir. Com um som de alto nível, principalmente na voz , o concerto foi chegando ao fim, a noite estava longa e o publico começava a exceder-se ( um segurança não era má ideia ! ).

   Para os mais curiosos aqui fica a ordem do concerto , 1ª parte com No Pain Hurts , « Shit Smash »,« Bread the frustation »,« I´m Sorry »,« Gentle Art Of » ( Faith No More ), «Hope», « Pissing On »,« Walk On », « Mad World »,«Beer» ,« Suck My Kiss » ( Red Hot Chili Peppers ) , « N.P.H. Presentation », «A live Story » . 2ª parte com Pull foi mais ou menos assim ( não conseguimos adivinhar o resto ), « Gone », « Stop », « Ice Tea », « Gold », « Don´t OK », « Living Puppets », « Yesterday Song », « Mary joint », « I'm Not Like You », « Feer This...», « Bye », « Standing Outside », « Maskes », e para encore, « Style » e « Gold ».