Press

11/12/1997 in Jornal da Marinha

2º ANIVERSÁRIO NOVA INDEPENDÊNCIA

BANDAS MARINHENSES EM ALTAS

   Parabéns à Nova Independência. Não só pelos dois aninhos, feitos no passado sábado, mas por todo um trabalho que tem vindo a realizar na área da música moderna Portuguesa. Esta é uma editora que aposta fortemente na descentralização do poder. Tem apostado em bandas de todo o lado, tem feito concertos em terras pouco preparadas para o efeito, divulga um leque bastante variado de música, enfim é uma empresa que está atenta aos novos sons, modas e principalmente, bandas Portuguesas.

   No passado sábado, para comemorar em beleza este seu segundo aniversário, trouxe até à Marinha Grande um concerto com 5 bandas. Como cabeça de cartaz, vieram os Sekmet, mostrar-nos o seu primeiro trabalho discográfico, Diametric. Um CD, que já tive oportunidade de vos descrever aqui neste mesmo espaço. Jardins de Pedra, Vonavemor e Naked Soul, foram outras das 3 bandas que actuaram no Pavilhão do Sport Império Marinhense. Se os Jardins de Pedra, se podem queixar pela fraca aceitação por parte do público, já os Vonavemor, tiveram oportunidade e carisma para elogiar o pessoal Marinhense. Aliás os Jardins de Pedra, foram mesmo a maior desilusão da noite. Pelo contrário, tanto os Naked Soul, como os Vonavemor, deram um sinal de profissionalismo, experiência e muita vontade de fazer a festa da Nova Independência.

   Mas, e mais uma vez, tenho que afirmar que não foi nenhuma destas bandas que trouxe o pessoal à sede do Império. A Nova Independência, também deu oportunidade a mais uma banda Marinhense pisar aquele palco, e os No More Rock’N Roll Business não perderam a oportunidade para fazer um grande espectáculo. Só é pena, ter que ser uma empresa de fora a vir aqui à Marinha Grande para fazer despertar os valores que andam escondidos nas nossas garagens. Mas, já que é assim, só temos que nos lamentar, e ao mesmo tempo não desperdiçar. E os No More Rock’N Roll Business, já como os 605 Forte, tinham feito, mostraram que as bandas Marinhenses mão são nada inferiores às bandas de outras terras, ou às que vocês ouvem nos CD’s da Nova Independência.

   Para finalizar, só gostava de dar uma palavrinha ao público que não apareceu. Eu só encontro 2 explicações para a ausência de público neste espectáculo, ou foi o frio ou foram as namoradas que vos obrigaram a ir ver o Paulo Gonzo. E tanto uma como a outra ... agora não me venham com cantigas a dizer que o bilhete era caro, quando nós sabemos que custava 800 ou 1000 escudos, mas com o direito à oferta de um CD que custa mais de 2000 escudos.

   Nem que fosse para aparecer na SIC, ou para ver as "meninas" dos Vonavemor....