Press

03/14/1997 in Jornal da Marinha

"SHOW ME THE MONEY"

   Pela segunda vez consecutiva, o JMG acompanhou todo o desenrolar, da maior entrega de prémios de música em Portugal. Foi no passado dia 26, no Coliseu dos Recreios, que se reuniram nomes, como Zé Pedro, Paulo Bragança, Maria João e Pac-Man, para dar brilho à entrega de Prémios de Música BLITZ 97. Com Álvaro Costa (jornalista e animador da Antena 3) como Apresentador, tapou-se assim o maior buraco (...e único), que tinha ficado no ano passado por José Figueiras. A festa, mais uma vez, foi digna de se vêr, sempre com muito movimento, muita interacção entre os convidados, os nomeados, os galardoados e o grande público. Teve a participação de bandas como Astonishing Urbana Fall, Blasted Mechanism, Delfins (muito assobiados), Paulo Bragança e muitos outros. Enfim, esta sim, uma festa da Música Portuguesa.

   Surpresas, foram algumas, mas sempre com algum significado. Kula Shaker, foi a primeira a levantar o Halter, como Revelação Internacional. Novidades, surpresa ou talvez não, nas categorias Nacionais, apenas a vitória de Paulo Bragança (Melhor Voz Masculina) e Três Tristes Tigres nas categorias de Melhor Grupo e Álbum do ano, com "Guia Espiritual". Nas categorias Internacionais, a "coisa" é mais complicada. Desde a Revelação Internacional (ganha por Kula Shaker), passando pela Melhor Voz Masculina (Nick Cave) até ao Artista do ano (Tricky), a luta foi bastante renhida, e até surpreendente (para mim...é claro!). Para o xunga do ano, ficou o "nosso querido" João Baião" a suceder a Iran Costa. E com um pedido de "Liberdade para Timor", por parte do público, Dom Ximenes Bello recebeu o prémio de personalidade do ano.

   Nas restantes categorias, destaque para a dupla vitória dos Primitive Reason, como Revelação Nacional e Canção do Ano, com o tema "7 Fingered friend". Destaque também para o segundo Halter da noite, ganho por Nick Cave, na categoria de Melhor Álbum do Ano Internacional, com "Murder Ballads". Outros dos contemplados, foram, Maria João (Melhor Voz Feminina Nacional), Pedro Abrunhosa (Artista do Ano Nacional), Lauryn Hill (Melhor Voz Feminina Internacional), Smashing Pumpkins (Melhor Grupo Internacional), Prodigy com "Breath" (Melhor Canção Internacional) e Mão Morta, com o Vídeo do Ano, realizado por Nuno Tudela (nova categoria).

   De realçar, apenas o facto de ser o primeiro ano em que os Xutos & Pontapés, não tiveram nenhuma nomeação, e o titulo de campeão das nomeações por parte dos Pimitive Reason (2 Halteres em 4 nomeações). Também o surpreendente esquecimento dos Blind Zero e as assobiadelas aos Delfins e a Pedro Abrunhosa, foram factos que marcaram esta 3ª Entrega de Prémios de Música BLITZ. E ainda não foi desta que Nuno Guerreiro, levou o Halter de Melhor Voz Masculina, para casa...não vale a pena desesperar, p'ró ano há mais.